Durante a pandemia do novo Coronavírus, todos devem estar mais atentos aos cuidados do dia a dia.

Algumas pessoas, por apresentarem condições favoráveis de agravamento da doença, precisam redobrar a atenção, é o chamado grupo de risco.

 

Quem faz parte do grupo de risco do Coronavírus?

O grupo de maior risco é composto por idosos de 60 anos ou mais, mulheres grávidas e puérperas e pessoas com doenças pré-existentes, como: asma, diabetes, hipertensão, doenças cardíacas e com histórico de AVC ou câncer.

 

Asmáticos

O coronavírus ataca principalmente os pulmões, podendo levar a uma grave infecção, podendo ser fatal para quem já apresenta uma doença pulmonar como a asma.

Os asmáticos devem seguir com a medicação, prescrita pelo médico, normalmente, controlando assim a doença.

 

Diabéticos

Cerca de 32 milhões de brasileiros têm diabetes ou pré-diabetes e esses pacientes devem ficar atentos ao novo Coronavírus.

O excesso de glicose no sangue e processo inflamatório ativo, característicos do diabetes, afetam o funcionamento do sistema imunológico, tornando-os mais vulneráveis ao Coronavírus. Além disso, os sintomas podem ser mais graves nesses pacientes.

 

Hipertensos

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde, pessoas hipertensas (pressão alta) são mais propensas a contrair o novo Coronavírus.

A hipertensão, quando não controlada, é uma doença que atinge o coração e pode comprometer o funcionamento de outros órgãos do corpo.

Alguns fatores podem ser facilitadores para quem tem hipertensão, pelo fato de o vírus poder atingir o músculo miocárdio e causar inflamações e de gerar acúmulo de líquido no pulmão (necrose pulmonar).

A SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia) recomenda que o paciente seja avaliado individualmente por seu médico que indicará o melhor tratamento para a doença e, além disso, os hipertensos devem reforçar as medidas básicas de prevenção, como o distanciamento social.

 

Idosos

Com o passar dos anos, é natural que o sistema imunológico humano fique mais frágil e sucessíveis a doenças infectocontagiosas.

Os sintomas do Coronavírus tendem a ser mais severos nessa faixa etária e consequentemente o risco de morte é maior. Idosos possuem pouca reserva para os órgãos funcionarem. O vírus afeta diretamente os pulmões e pode descompensar o coração e os rins, principalmente se o paciente já tiver doenças pré-existentes.

Nesse momento, todo cuidado é pouco e o isolamento social é a melhor forma de prevenção. Além disso, é importante lembrar de sempre lavar bem as mãos com água e sabão, evitar contato físico com outras pessoas que morem na mesma casa, manter os ambientes arejados e objetos e superfícies higienizados.

 

Como os grupos de risco podem evitar a contaminação do Coronavírus?

A principal recomendação é o isolamento social, minimizando os risco de uma contaminação pelo Coronavírus.

Além disso, deve-se lembrar das recomendações de higiene, que são:

  • Lavar as mãos com água e sabão frequentemente;
  • Utilizar álcool em gel 70% como auxílio de limpeza;
  • Evitar tocar o rosto com as mãos;
  • Evitar abraços, beijos e apertos de mão;
  • Manter distância de 2 metros de outras pessoas;
  • Manter os ambientes devidamente higienizados e ventilados.

 

Quais cuidados tomar se eu moro com alguém do grupo de risco?

Nesse momento, a recomendação é que evitem o contato físico. Deve-se lembrar que o Coronavírus assintomático é muito comum, principalmente em jovens, podendo fazer com que a pessoa transmita a doença para alguém do grupo de risco, que pode vir a ter seríssimas complicações e até mesmo levar à óbito.

Caso tenha que sair por qualquer motivo, a recomendação é que assim que chegar em casa, retire os sapatos, coloque a roupa do corpo para lavar e tome banho.

Também é válido conscientizar e reforçar para esse grupo, a importância das medidas de higiene para a prevenção da doença, como: evitar contato físico, não dividir copos e talheres, manter o ambiente arejado e higienizar sempre as mãos, superfícies e objetos.

 

Tags
  • grupo de risco
  • coronavirus
  • COVID-19