© 2020 Dasa. Todos os direitos reservados.

Definição e Sintomas

CORONAVÍRUS

 Tudo sobre a COVID-19

PrevençãoTransmissãoDiagnóstico e Exames

O que é o Coronavírus?

Coronavírus, causador da pandemia global, pertence a uma família de vírus (CoV) que já circula no Brasil. Os vírus dessa família podem causar desde resfriados comuns a doenças mais graves, como a Síndrome Aguda Respiratória Severa (SARS) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS).

O Novo Coronavírus recebeu a denominação SARS-CoV-2 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e a doença que ele provoca tem a denominação COVID-19.

Qual a origem do vírus?

Até o momento, ainda não está claro como o novo Coronavírus infectou as pessoas na China. A suspeita, segundo pesquisadores, é de que o vírus que vive no trato respiratório de morcegos tenha passado por um processo de mutação para conseguir se instalar no corpo humano.

Qual a gravidade da doença?

Quais os sintomas do Coronavírus?

Confira os sintomas mais comuns

Quem são os principais grupos de risco?

De acordo com estudos publicados, os mais vulneráveis ao novo Coronavírus são pessoas idosas ou com condições pré-existentes, como problemas respiratórios ou diabéticos.

Como se transmite o novo Coronavírus?

A principal forma de transmissão do novo Coronavírus é entre pessoas. Por meio de espirros, tosses ou até mesmo a fala, pessoas infectadas expelem gotículas de saliva e secreções que contém o vírus. Essas pequenas gotas podem contaminar superfícies e objetos e, posteriormente, infectar pessoas que tocaram nesses locais e levaram as mãos aos olhos, nariz e boca.

Pessoas sem sintomas podem transmitir o novo Coronavírus?

Sim. Apesar de alguns casos serem assintomáticos, as pessoas infectadas continuam espalhando o vírus por meio de gotículas de saliva e secreções. Segundo o doutor Alberto Chebabo, infectologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro:

Devo usar máscara facial ao sair de casa?

O uso de máscaras é recomendado para pessoas que estão com sintomas de infecções virais, pois elas ajudam a diminuir a proliferação do vírus e para profissionais da saúde, que podem estar em contato constante com pacientes infectados.

A compra desnecessária desse tipo de material pode levar a um esgotamento de estoque para aqueles que realmente precisam dela.

PREVENÇÃO

Como posso me prevenir?

Lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos. O uso de água e sabão consegue quebrar a cápsula de gordura protetora do vírus, que morre facilmente sem a barreira;

Caso não seja possível, usar um desinfetante à base de álcool;

Outras recomendações são evitar tocar o rosto (boca, nariz e olhos) com mãos sujas;

Manter distância de pessoas com sintomas;

Ficar em casa quando estiver se sentindo doente;

Espirrar ou tossir apoiando o rosto no antebraço;

Limpar e desinfetar objetos com frequência;

É importante que todos evitem lugares públicos ou com aglomeração de pessoas.

Como desinfectar o ambiente de Coronavírus?

Um desinfetante simples é o bastante para limpar superfícies e objetos que podem estar contaminados.

A prevenção contra o Coronavírus pode ser feita com medidas simples, recomendadas pelo Ministério da Saúde:

Alimentos podem ser contaminados pelo Coronavírus?

Estudos preliminares indicam que o Coronavírus pode sobreviver por algumas horas em superfícies e objetos, sendo que esse tempo pode aumentar ou diminuir por causa de condições como tipo de material, temperatura ou umidade. Os alimentos e as embalagens devem ser higienizados.

Devo fazer exame diagnóstico? Onde fazer?

Os exames para a detecção do novo Coronavírus devem ser feitos somente por aqueles que apresentam sintomas da doença. Além disso, é necessário que tenham sido expostos a alguém sabidamente positivo ou que retornou de país com epidemia instalada. Nesses casos, é necessário o pedido médico. Portanto, caso haja alguma suspeita, o recomendável é procurar a orientação de um profissional da saúde.

Transmissão do coronavírus com bloqueio da propagação do vírus.
Transmissão do coronavírus sem bloqueio da propagação do vírus.
Legenda das ilustrações acima, com pessoa saudável, pessoa infectada e ícone de bloqueio da propagação do vírus.

TRANSMISSÃO

Como foi transmitido o Coronavírus do animal para o ser humano?

Estudos de como o novo Coronavírus começou a ser transmitido para humanos ainda estão em andamento. As análises iniciais indicam que o vírus da COVID-19, que vive em morcegos da China, passou por um hospedeiro intermediário e sofreu mutações para conseguir sobreviver no corpo humano.

O que devo fazer se tive contato com alguém que viajou recentemente aos países de risco?

Caso você não apresente sintomas, não há a necessidade de tomar medidas especiais ou realizar exames. Mas, se algum dos sintomas surgir, busque um serviço de saúde.

Qual o tratamento disponível no Brasil?

Não existe um tratamento específico, mas como um resfriado ou gripe, o tratamento é feito com sintomáticos para febre ou dor, hidratação e repouso. Além disso, como há o risco de disseminação da doença, o isolamento domiciliar é recomendado.

No momento, ainda estão sendo desenvolvidos medicamentos e vacinas específicos para o novo Coronavírus. As pessoas que foram afetadas pela doença ou apresentarem sintomas devem procurar o serviço de saúde para receber instruções de tratamentos adequados. O tratamento deve ser sempre orientado por um médico.

Estou com sintomas de infecções virais?

Sou um profissional 
da saúde?

Não

Sim

Resposta: Sim, pois elas ajudam a diminuir a proliferação do vírus. 

Sim

Não

Resposta: Sim, pois você pode estar em contato constante com pacientes infectados.

Se todas as respostas foram "não": Você não precisa usar mascáras, pois a compra desnecessária desse tipo de material pode levar a um esgotamento de estoque para aqueles que realmente precisam dela.

Sintoma do Coronavírus: Febre
Sintoma do Coronavírus: tosse

TOSSE 
(SECA OU SECRETIVA)

FALTA DE AR

Sintoma do Coronavírus: falta de ar
Sintoma do Coronavírus: Coriza

FEBRE

CORIZA

 Cansaço

Dor de garganta

Dores de cabeça e náuseas

Vômito e diarréia

Outros possíveis

sintomas são:

Fonte:

A gravidade da doença depende do grupo de risco afetado. Pessoas jovens e saudáveis podem apresentar sintomas leves e moderados, que se assemelham ao de um resfriado, ou até mesmo terem casos assintomáticos.

Ilustração de idoso
Ilustração de menina
Ilustração de menino
Ilustração de mulher

Crianças e Adolescentes 
(10 - 19)

Jovens e Adultos 
(20 - 59)

Idosos
(60 - 79)

0,4 - 1,3%

3,6 - 8%

14,8%

Idosos
+ de 80 anos

Fonte:

Taxa de Mortalidade
% com base nos dados de Wuhan, China

0,2%

Onde tratar o Coronavírus no Brasil?

Recomenda-se que as pessoas que apresentam sintomas da doença procurem orientação médica. Caso julgue necessário, o profissional de saúde poderá indicar a realização do teste que detecta o novo Coronavírus e, depois, definir o melhor tratamento para cada pessoa.

Como eliminar o vírus do corpo?

Como a maioria das infecções virais leves, grande parte dos casos do coronavírus se resolvem naturalmente, sem necessidade de internação ou tratamentos de terapia intensiva. Assim que os primeiros sintomas surgirem, é necessário procurar ajuda médica para entender qual a melhor opção de tratamento.

Coronavírus no Brasil

[mapa do brasil com estados infectados]

DIAGNÓSTICO E EXAMES

Coronavírus tem cura?

Caso o paciente esteja saudável e fora do grupo de risco, a maioria dos casos de Coronavírus costumam se solucionar sozinhos. A indicação médica pode auxiliar no alívio dos sintomas da doenças.

Existe vacina para Coronavírus?

Ainda não há uma vacina específica para o novo Coronavírus. A Organização Mundial da Saúde está trabalhando em conjunto com os principais fabricantes para trabalhar na elaboração dessa forma de imunização.

Quando devo procurar um médico?

É recomendada a orientação médica quando algum sintoma da doença surgir, principalmente se você tiver voltado de viagem de países em que há surto de Coronavírus ou tiver entrado em contato com alguém sabidamente positivo para COVID-19.

Como confirmar se estou infectado?

Como os sintomas da COVID-19 se assemelham a de um resfriado comum, a melhor maneira de confirmar a infecção é por meio de um teste específico, sempre mediante orientação médica.

Quais as semelhanças da COVID-19 e H1N1?

Tanto a COVID-19 quanto a H1N1 podem se manifestar por meio de sintomas como cansaço, febre, tosse, dores de garganta, náuseas e diarréia.

A vacina da gripe funciona para o Coronavírus?

A imunização anual contra a gripe não impede a infecção pelo novo Coronavírus. No entanto, caso a pessoa esteja imunizada contra a gripe e apresente sintomas, o diagnóstico médico, sobre uma possível infecção pelo coronavírus, é facilitado. Além disso, uma diminuição nos casos de gripe ajuda o sistema de saúde a focar os esforços no combate à COVID-19.

Como diferenciar a gripe comum da COVID-19?

A melhor maneira de diferenciar uma gripe comum da COVID-19 é por meio de diagnóstico médico e, posteriormente, caso haja necessidade, teste laboratorial.

Diferença de sintomas entre o coronavírus, resfriado e gripe.

Animais de estimação podem ter Coronavírus?

A família de vírus do Coronavírus é ampla e não se restringe somente ao causador da COVID-19. Alguns tipos desses vírus podem provocar doenças em humanos e outros tipos em animais, como gado, camelos, morcegos, cachorros e gatos. Até o momento, não há evidência de que animais domésticos podem adoecer por causa do novo coronavírus ou serem agentes de infecção.

Planos de saúde cobrem exames de Coronavírus?

Recentemente, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) incluiu o exame que detecta o novo Coronavírus no rol de cobertura dos planos de saúde. No entanto, o órgão recomenda que os conveniados entrem em contato com seus planos de saúde sobre a cobertura antes de se dirigirem a um hospital ou laboratório. Para fazer o exame, é necessário ter pedido médico.

Marcas parceiras

Saiba Mais

Fonte:

Fonte:

Fonte:

Como saber se você está infectado pelo vírus SARS-CoV-2?

A melhor forma de saber se você foi infectado pelo novo Coronavírus é realizar testes em laboratórios de confiança, hospitais ou na rede pública de saúde. Atualmente, existem diversos tipos de metodologias para a detecção do vírus, mas a mais comum é a PCR, que usa um pedaço do código genético para identificar a presença do vírus.

Como as novas priorizações
podem ajudar o sistema de saúde?

Se os pacientes com sintomas gripais e de resfriados permanecerem em isolamento domiciliar, o sistema de saúde terá mais fôlego para tratar aqueles que tiverem diagnósticos graves da COVID-19. Não podemos esquecer que vários outros vírus causam resfriado e gripe e, para diferenciá-los do novo coronavírus, é necessário realizar testes específicos, que já estão em escassez. 

Logo, caso todos os pacientes que apresentem sintomas procurem ajuda hospitalar, a carga no sistema será bem maior.  De acordo com a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), agora que o vírus entrou em fase de transmissão comunitária (quando não é possível saber a origem da infecção), devem procurar os serviços de emergência pacientes que apresentarem febre por mais de 24 ou 48 horas ou falta de ar. 

Estou fora dos grupos de risco. Meus sintomas serão mais leves?

Por mais que muitos dos casos da COVID-19 sejam leves e assintomáticos em pessoas jovens, essa população não está 100% imune contra o vírus. Autoridades americanas relataram que uma porcentagem significativa das internações graves em hospitais por causa de coronavírus é de pessoas entre 20 e 50 anos. Mesmo que os casos não necessitem de internação, o respeito ao período de quarentena ajuda a impedir a disseminação do vírus.

Qual a taxa de mortalidade do novo coronavírus? Ele é mais mortal que a gripe?

Os números sobre a taxa de mortalidade da COVID-19 são incertos. Segundo a OMS, na China, a taxa chegou a 3,5% na China e 1,5% fora dela. Mas esse número pode variar bruscamente por alguns motivos: proporção da faixa etária da população, medidas para contenção do vírus, quantidade de casos que são realmente reportados às autoridades competentes e o quão livre o sistema de saúde está livre para receber os casos mais graves. Por isso é importante que todos tenham a consciência de que apenas casos graves e de grupos de risco (idosos, imunossuprimidos, hipertensos, diabéticos, gestantes) devem ser priorizados.

Como diferenciar a gripe comum da COVID-19?

A melhor maneira de diferenciar uma gripe comum da COVID-19 é por meio de diagnóstico médico e, posteriormente, caso haja necessidade, teste laboratorial.

Diferença de sintomas entre o coronavírus, resfriado e gripe.

A COVID-19 deixa sequelas?

Ainda não há estudos clínicos embasados que comprovem a existência de sequelas em pacientes que foram infectados pelo novo coronavírus. Com base em estudos de outras infecções virais similares e mesmo sobre outros tipos de coronavírus, sabemos que as chances de sequela são bastante reduzidas.

É possível erradicar o novo coronavírus?

Não é possível dizer, no momento, se o novo coronavírus será erradicado ou permanecerá de forma endêmica (permanente) entre a população. A erradicação do vírus dependerá de alguns fatores, como uma vacina de elevada eficácia, taxa de cobertura da imunização (se houver), capacidade de mutação do vírus e resposta imunológica do nosso próprio organismo.

Por que não é recomendado sair de casa no período da pandemia do coronavírus?

Como o vírus é transmitido de pessoa para pessoa, o chamado distanciamento social é importante para desacelerar a proliferação do vírus. Evitar o contato com outras pessoas em lugares fechados ou aglomerados ajuda a frear a disseminação. Caso seja inevitável sair de casa, algumas medidas como não pegar transporte público em horário de pico, não cumprimentar com beijos, abraços ou apertos de mão, manter uma distância de pelo menos 2 metros das outras pessoas ajudam a diminuir a contaminação. Além disso, é importante evitar o contato com superfícies de locais públicos e lembrar de higienizar as mãos com álcool em gel logo após.

E o que acontece se essa recomendação
não for seguida?

Com várias pessoas aglomeradas em um único lugar, o agente infeccioso consegue se disseminar com mais facilidade e, dada a sua velocidade de proliferação, infectar ainda mais gente.

A recomendação é, se alguém tiver algum sintoma de gripe (tosse, coriza, garganta inflamada), não ir (para eventos sociais). Essa pessoa tem maior chance de transmitir para as outras. A pessoa deve ter a auto etiqueta de não ir e de não colocar as outras pessoas em risco.

"

Dr. Alberto Chebabo.

Como o distanciamento social ajuda no combate ao novo Coronavírus?

O distanciamento social inclui atitudes como: isolamento domiciliar, manter uma distância física segura das pessoas. O intuito é reduzir a exposição a uma situação com risco de contágio ou diminuir as chances de infectar os outros, caso tenha o COVID-19. Ao longo do tempo, isso cria um “achatamento de curva”, expressão usada por especialistas quando há uma diminuição no número de casos ao longo do tempo. Isso é importante para que o sistema de saúde tenha tempo para responder à crise e evitar sobrecargas no sistema, o que pode levar a falta de materiais ou profissionais disponíveis. Com o distanciamento social, estamos contribuindo para que os mais graves sejam atendidos.

Transmissão do coronavírus com bloqueio da propagação do vírus.
Transmissão do coronavírus sem bloqueio da propagação do vírus.
Legenda das ilustrações acima, com pessoa saudável, pessoa infectada e ícone de bloqueio da propagação do vírus.

Qual a diferença entre
quarentena e isolamento

Em linhas gerais, o isolamento é recomendado quando uma pessoa apresenta os sintomas do novo coronavírus ou esteve em áreas onde há a transmissão da doença. Até o momento, o período de isolamento para a COVID-19 é de 14 dias, podendo ser estendido caso os sintomas persistam. Para casos leves, o isolamento está sendo feito no domicílio em que a pessoa vive, já em situações mais agudas, pode ser necessária a internação em um hospital. 

A quarentena, como a que foi implementada na Itália, tenta restringir de maneira geral a circulação de pessoas, e pode envolver fechamento de estabelecimentos, instituições culturais, cancelamento de eventos e possíveis medidas judiciais para quem descumprir essas restrições.

Quarentena

Isolamento

X

O isolamento é obrigatório para quem está com sintomas gripais?

Como medida de precaução, o Ministério da Saúde está recomendado que pessoas e parentes de pessoas com diagnóstico de síndrome gripal, doenças que apresentem sintomas como os da gripe, recebam um atestado médico garantindo o isolamento por 14 dias. Por enquanto, a recomendação é válida para as regiões onde há transmissão comunitária, quando não é possível traçar a origem da contaminação, do novo coronavírus.

Existem alternativas ao uso do álcool em gel?

Com o surto do novo coronavírus, o álcool em gel tem estado em falta em muitos supermercados e farmácias. Como alternativa, especialistas indicam que, para a limpeza das mãos, podem ser usados lenços umedecidos antissépticos e, para a higienização de ambientes, limpadores multiuso e detergentes. O uso do álcool em gel, no entanto, só é recomendado caso não seja possível lavar as mãos após o contato com superfícies e objetos possivelmente contaminados.

Vi pessoas estocando mantimentos. Devo fazer o mesmo?

No momento, não há necessidade para tal. Segundo as associações de supermercados do país, o abastecimento de produtos está garantido e não há previsão de uma escassez geral. Ao estocar sem necessidade, você pode estar prejudicando pessoas dos grupos de risco, que realmente não podem se expor ao novo coronavírus. 

Quais medidas devem ser tomadas em casa quando uma pessoa está de quarentena?

A pessoa infectada deve ficar em um ambiente restrito, com contato minimizado com os outros habitantes do domicílio. No dia a dia, é importante: 

Não dividir utensílios e aparelhos eletrônicos de uso pessoal.

Higienizar constantemente higienizar constantemente as mãos e o ambiente.

Respeitar a orientação médica médica de não sair de casa.

Não levar a mão próximo ao nariz, olhos e boca.

É importante que o ambiente seja arejado e que deixe entrar a luz solar.

Quais cuidados devo tomar com uma pessoa infectada em casa?

Os cuidados podem ser tomados por meio de diferentes atitudes.

Louças e talheres podem ser lavados com água e sabão e a limpeza pode ser tanto de forma manual quanto com lavadoras automáticas.

A lavagem das roupas também pode seguir a rotina normal, com o cuidado de evitar sacudir roupas e tecidos em ambientes fechados, para evitar a disseminação de partículas.

Se possível, as janelas devem ficar abertas para estimular a circulação de ar.

O lixo pode ser descartado normalmente, com o cuidado de ser embalado em um recipiente apropriado e fechado e não deixar os resíduos acumularem.

Não levar a mão próximo ao nariz, olhos e boca.

Posso ir à academia ou piscina? 
E lugares abertos?

No momento, frequentar academias e piscinas não é recomendado pelos especialistas, por conta de serem locais de aglomeração. Além da dificuldade de se manter uma distância entre as pessoas, secreções contaminadas como saliva e suor podem cair sobre os equipamentos e áreas comuns. Idas a praias também devem ser evitadas, pois a aglomeração de pessoas é incontrolável, mesmo que área seja aberta. Em algumas cidades litorâneas, já há recomendações e restrições de circulação nesses locais.

Posso frequentar lugares públicos que forneçam álcool em gel?

A principal forma de transmissão de vírus é por meio de secreções contaminadas. O uso do álcool em gel funciona como uma suplementação à proteção que já deveria estar sendo feita. E não há, por enquanto, regulações que obriguem os estabelecimentos a forneceram esse tipo de material. No entanto, a recomendação é o isolamento domiciliar. Em casos de extrema necessidade, ao sair, o ideal é sempre lavar bem as mãos quando possível e, quando não for, realizar a limpeza com álcool em gel.

Preciso inevitavelmente pegar transporte público. O que fazer para me proteger?

Caso o uso do transporte público seja urgente e necessário, a recomendação oficial é evitar tocar em corrimãos e outras superfícies, andar com as janelas abertas e, após sair dos veículos, higienizar as mãos com água e sabão. Preze também pelo chamado “uso silencioso”, ou seja, sem conversar com os outros passageiros.

E recomendação para o uso dos elevadores?

No momento, está sendo estimulado o embarque solitário, se possível, ou somente com membros do seu grupo familiar. Durante o uso, evite encostar nas paredes e espelhos. Após o toque em áreas comuns, como portas e painel de botões, higienize as mãos, de preferência com água e sabão. 

A cadeia de transmissão mais preocupante é aquele paciente sintomático, em que a quantidade de vírus que ele está eliminando é muito maior

"

Obs: As recomendações que estão no quadro acima são indispensáveis neste caso.

Há algum risco de transmissão do coronavírus via parto ou amamentação?

Até o momento, ainda não há registros de transmissão do novo coronavírus via leite materno. Nos casos de recém-nascidos em que as mães estavam doentes durante o parto, não foi detectada a presença do vírus no feto ou no líquido amniótico. Mas, como a infecção ocorre pelo contato com secreções contaminadas, a boa higiene antes e depois do contato com o bebê é essencial para diminuir as chances de transmissão.

Por estarem em contato frequente com as mãos e uso próximo ao rosto, os celulares representam sim uma possibilidade de contaminação, como quaisquer outros objetos. A limpeza dos aparelhos deve seguir as orientações do fabricante, já que o uso de produtos comuns (desinfetante e álcool) pode danificá-los.

Celulares podem ser uma fonte de contaminação

A orientação geral do Ministério da Saúde é fazer viagens somente em casos de extrema necessidade. O distanciamento social e o isolamento domiciliar ajudam a desacelerar a proliferação do vírus. No momento, priorize formas de comunicação à distância.

É importante que haja a consciência de que ao viajar, mesmo estando assintomático, você pode transferir o vírus de um lugar para o outro.

Tenho parentes ou amigos no interior ou litoral. Posso visitá-los?

Nesse momento, segundo o Ministério da Saúde, viagens ao exterior devem ser feitas somente em casos de extrema necessidade. Caso seja constatada a necessidade, órgãos governamentais podem solicitar o fechamento de fronteiras para conter a transmissão da doença. Entidades do setor de turismo estão em negociação para facilitar reembolsos e cancelamentos de passageiros que não se sintam confortáveis em viajar.

É seguro viajar para fora do país?

O verão pode ajudar a conter a transmissão do vírus?

Os especialistas afirmam que o clima em si pode não influenciar tanto o comportamento do vírus. O que acontece é que, com as temperaturas mais baixas, há a tendência de que as pessoas fiquem em ambientes fechados, o que facilitaria a transmissão da doença.

É seguro pedir alimentos via delivery?

Os principais aplicativos de delivery estão criando opções para diminuir o contato entre entregadores e clientes e oferecendo álcool em gel e máscaras a seus motoboys e bikeboys. Uma alternativa criada recentemente, por exemplo, é a de escolher a modalidade de entrega em que a comida é deixada na porta, sem que o cliente tenha que ir buscá-la nas mãos do entregador. Mesmo assim, logo após receber o alimento, recomenda-se lavar as mãos com água e sabão.

Com a chegada da temporada das chuvas, a atenção com o mosquito da dengue volta a ter importância. Ainda não se sabe como será a interação entre as duas doenças e se a presença de uma pode agravar os sintomas da outra e vice-versa.

É possível pegar coronavírus e dengue ao mesmo tempo?

É possível pegar o coronavírus mais de uma vez?

As pesquisas sobre possíveis reinfecções ainda estão em seus estágios iniciais, mas já há casos que mostram um possível segundo contágio com o novo coronavírus na China e no Japão. Mesmo assim, especialistas alertam sobre os perigos do chamado falso positivo, quando um exame indica um resultado que não reflete a realidade. Nessas situações, o segundo teste pode estar detectando materiais da primeira infecção, e não realmente de uma reincidência.

Fui diagnosticado com COVID-19. E agora?

Caso o seu resultado tenha dado positivo, a orientação de um médico pode definir qual o melhor tipo de tratamento. Até agora, segundo especialistas, a maioria dos casos tem se solucionado sozinhos, como um resfriado ou gripe, sem a necessidade de internação ou tratamento intensivo. A internação pode ser necessária apenas caso você pertença a algum grupo de risco.

Há expectativa de quando a pandemia acabará?

No momento, ainda não há janela de tempo definida para que a pandemia do novo coronavírus seja declarada como encerrada. Mas, de acordo com as autoridades, as medidas restritivas para tentar frear a disseminação da doença podem ser encerradas antes, após uma avaliação qualificada.

Como cuidar da minha saúde mental enquanto estiver em isolamento?

Em situações de isolamento, é normal sentir mais stress e ansiedade. As dicas dos especialistas para lidar com essas sensações no período de isolamento incluem: fazer pausas regulares na leitura de notícias sobre a pandemia, cuidar do corpo com exercícios de respiração, meditação, alongamentos e alimentação saudável, ocupar a mente com outras atividades e conversar com amigos e parentes sobre suas preocupações e sentimentos.

Como falar com crianças sobre o novo coronavírus?

A recomendação vigente é usar um tom de conscientização, e não de pânico. O momento deve ser usado para reforçar a necessidade de se ter cuidados básicos: lavar bem as mãos com água e sabão e evitar o compartilhamento de objetos pessoais com outras pessoas, evitar coçar o olho, levar a mão ou objetos à boca. Nesse momento, ilustrações e desenhos podem ajudar na compreensão do assunto.

Quais casos serão priorizados pelo sistema de saúde a partir de agora?

Devido à escassez de testes em todo o sistema de saúde, estão sendo priorizados diagnósticos em pacientes com manifestações graves ou críticas da doença. As orientações atuais aconselham todos os pacientes com esses sintomas a permaneceram em isolamento domiciliar pelo período de 14 dias.

Remédios caseiros e vitaminas ajudam no tratamento contra o coronavírus?

Não há pesquisas científicas que comprovem a eficácia de curas caseiras ou vitaminas no tratamento da COVID-19. Somente um profissional de saúde poderá indicar qual é a melhor opção para um paciente que esteja com a doença.

Boatos sobre alimentos e remédios que podem aumentar a imunidade e, consequentemente, a proteção contra o novo coronavírus 
não devem ser seguidos.

Não existe evidência científica de que qualquer coisa que a gente tome ou faça vai reforçar a imunidade

"

Afirma Alberto Chebabo, infectologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Para manter a nossa imunidade em níveis normais, Chebabo recomenda 

Uma vida saudável, dormir adequadamente, reduzir o stress, isso pode ajudar a proteger aquela pessoa”

"

Ouvi falar de testes de medicamentos e vacinas. Há previsão para que elas cheguem ao mercado?

No momento, não existe uma data para que remédios que combatam a COVID-19 ou vacinas sejam lançadas comercialmente. Diversos laboratórios e centros de pesquisa ao redor do mundo estão trabalhando ininterruptamente para encontrar possíveis soluções. 

Quando remédios ou vacinas passam para a fase de testes, quer dizer que eles serão usados em um conjunto de pessoas para averiguar tanto a efetividade quanto possíveis efeitos colaterais e reações. Além disso, o uso de remédios e aplicação de vacinas no Brasil depende da aprovação das autoridades nacionais competentes. Ou seja, a aprovação em um país não quer dizer que ele também será aprovado por aqui.

Simultaneamente aos testes de medicamentos e imunizações, pesquisadores estudam o comportamento do novo coronavírus e de qual maneira o corpo o combate. Esses estudos ajudam a entender a eficácia dos tratamentos recomendados atualmente e a propor possíveis novas formas de lidar com a doença.

Nesse momento de combate ao vírus, é importante prestar atenção e não espalhar informações e boatos sobre a doença. Verifique se a informação está em sites de órgãos oficiais, como o Ministério da Saúde, Organização Mundial da Saúde e outras autoridades sanitárias. Veja se aquela informação aparece nos grandes veículos de imprensa. E, em todos os casos, use o bom senso. Caso a informação pareça ser exagerada, surreal ou sem embasamento médico, não compartilhe-a.

Como saber qual informação sobre o coronavírus é falsa?

As recomendações e informações sobre a doença podem mudar com qual frequência?

 É difícil determinar quando uma informação sobre a doença mudará. As recomendações dos principais órgãos de saúde e sanitarismo do Brasil e do Mundo se adequam conforme as evoluções e desdobramentos da pandemia do novo coronavírus.