Câncer Colorretal: formas de prevenção e tratamento

Ranyell Spencer,
Publicado em:

Câncer Colorretal: formas de prevenção e tratamento

Março é o mês de conscientização sobre o câncer colorretal. Nesta edição, nós da Oncologia DASA preparamos esse texto para que você entenda um pouco mais sobre essa doença, suas formas de prevenção e o seu tratamento.

Para o Brasil, estimam-se, para cada ano do triênio de 2020-2022, 20.540 casos de câncer colorretal em homens e 20.470 em mulheres. Esses valores correspondem a um risco estimado de 19,64 casos novos a cada 100 mil homens e 19,03 para cada 100 mil mulheres segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA)1. O câncer colorretal é segundo mais comum em ambos os sexos, o que torna ainda mais relevante as ações de prevenção e de tratamento precoce.

Devido à elevada incidência do câncer colorretal, temos que falar sobre os tipos de prevenção utilizados para essa doença. Mas, antes de mais nada, é importante definirmos alguns termos, são eles: Prevenção Primária e Prevenção Secundária; esta última é basicamente dar o diagnóstico precoce da doença, é o famoso “diagnosticar no começo”, e isso sempre é bom em se tratando de câncer! Quando falamos em Prevenção Primária, estamos nos referindo a medidas preventivas que evitam o surgimento de alguma doença, aqui no caso o câncer colorretal, ou de lesões precursoras ou que podem evoluir para o câncer.

No caso do câncer do intestino grosso (cólon) e reto existe, na grande maioria dos casos, o surgimento de uma lesão precursora, que são denominados “pólipos de intestino.” Esses pólipos são formados a partir do crescimento anormal de células da parte interna do intestino (ou mucosa) que crescem de modo desordenado e formam os tumores. Estima-se que, em média, o tempo de transformação de um pólipo em tumor seja algo em torno de 6-8 anos2, e isso tem tudo a ver com prevenção primária! Vou explicar melhor mais adiante.

O CCR é uma doença multifatorial influenciada por fatores genéticos (aquilo que se herda dos seus pais), fatores ambientais (o que se come, por exemplo) e do estilo de vida (aquilo que se faz ou deixa de fazer). Quando se está agindo do modo tido como “saudável”, ou seja, alimentando-se sem excessos, evitando o uso de tóxicos como fumo e álcool, praticando atividade física regular e dormindo bem, falamos em prevenção primária. Uma outra forma de prevenção primária exclusiva para esta doença é quando, durante uma colonoscopia é retirado um pólipo que poderia vir a se tornar um câncer. Essa forma de prevenção, a primária, é a mais importante para evitar doenças e praticamente todos os cânceres em geral3!

A colonoscopia é o método mais eficiente para a detecção do câncer colorretal. É o que chamamos em medicina de “padrão ouro”. Ela é recomendada tanto para os pacientes que tenham sintomas, seja um sangramento ou alteração do hábito intestinal, quanto para aqueles que se enquadram na chamada “população de risco”. A população de risco para câncer colorretal é qualquer pessoa acima de 50 anos, ou com idade 10 anos a menos do que o parente de primeiro grau que teve câncer colorretal, portadores de doença inflamatória intestinal, portadores de síndromes genéticas, o que já tenham tido câncer de cólon previamente; além daqueles que tiveram achado de pólipo em alguma colonoscopia prévia4. Quando a colonoscopia é utilizada em pacientes assintomáticos, mas que se enquadrem nesse grupo de risco, eles estão fazendo o que chamamos de rastreamento. Além da colonoscopia, existem outros modos de rastreamento como, por exemplo, a retossigmoidoscopia ou exames para identificação de sangue nas fezes. Estes últimos devem ser feitos de modo mais frequente, ou seja, a cada 1-2 anos e necessitam de um preparo especial que envolve uma dieta prévia à coleta das fezes4.

O rastreamento do câncer colorretal corretamente aplicado para um determinado grupo de risco é a forma mais eficaz de combater o câncer colorretal e está diretamente relacionado com a queda do número de casos novos e de morte por essa doença.

No entanto, algumas vezes não temos como prevenir o câncer colorretal. Nesses casos, temos que entender como se dá o tratamento dessa condição. Uma vez diagnosticado o câncer de intestino grosso, há a necessidade de se realizar uma avaliação por completo do paciente, chamada de estadiamento. Esse se dá, geralmente, pela realização de exames de imagem como tomografias, ultrassonografia e/ou exame de raio x. Também é necessário fazer exames de sangue, incluindo alguns marcadores tumorais, como o CEA e o CA19-9. Na maioria dos casos, esses marcadores são produzidos pelo próprio tumor e estão relacionados com o prognóstico, ou seja a evolução, sendo utilizados no seguimento dos pacientes tratados5.

Após a realização do estadiamento, é programado o tratamento dos pacientes. Dependendo da situação da doença, ou seja, se o tumor está localizado ou se acometeu outros órgãos, decide-se entre operar ou fazer alguma quimioterapia e/ou radioterapia. Supondo que uma pessoa tenha câncer no cólon direito, e os exames de estadiamento (tomografia de pulmão e do fígado) não identificarem nada alterado, o tratamento será a cirurgia. A partir daí será feita uma análise mais detalhada do tumor e o oncologista decidirá se a cirurgia foi suficiente ou se haverá a necessidade de se fazer alguma quimioterapia de reforço após essa cirurgia, é o que chamamos em oncologia de Adjuvância. Mas, supondo que há a presença de metástases no fígado, por exemplo, o oncologista pode optar em iniciar o tratamento com quimioterapia e deixar a cirurgia para depois, a isso chamamos de Neoadjuvância5.

Por fim, um pequeno resumo:

1) Diante de sintomas intestinais como sangramento ou mudança do funcionamento do intestino, deve-se procurar um médico, e provavelmente haverá a necessidade de se fazer uma colonoscopia;

2) É aconselhável que se faça uma colonoscopia de rastreamento para pacientes com idade igual ou superior a 50 anos (os pacientes com familiares que foram acometidos por um câncer de intestino devem fazer o exame mais cedo);

3) Deve-se evitar os excessos e os alimentos processados. O ideal é comer mais frutas, verduras; alternar carnes vermelhas com carnes brancas ou peixe é uma boa opção;

4) É recomendado que se pratique alguma atividade física; e

6) O câncer colorretal tem é um tumor evitável e com altas taxas de cura, principalmente quando diagnosticados no início!

Referências

  1. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instituto Nacional de Câncer, 2022. Disponível em: https://www.inca.gov.br/publicacoes/livros/estimativa-2018-incidencia-de-cancer-no-brasil. Acesso em 14, fevereiro 2022.
  2. Elizabeth H, Dani B, Paul R. Familial adenomatous polyposis.Orphanet J Rare Dis. 2009;4:22.
  3. Brenner H, Chang-Claude J, Jansen L, Knebel P, Stock C, Hoffmeister M. Reduced risk of colorectal cancer up to 10 y after screening, surveillance, or diagnostic colonoscopy. Gastroenterology 2014;146:709-17
  4. Lieberman DA, Rex DK, Winawer SJ, Giardiello FM, Johnson DA, Levin TR, et al. Guidelines for colonoscopy surveillance after screening and polypectomy: a 4. Consensus Update by the US Multi-Society Task Force on colorectal cancer. Gastroenterology 2012;143:844-57
  5. QUASAR Collaborative Group. Adjuvant chemotherapy versus observation in patients with colorectal cancer: a randomized study. Lancet 2007; 370: 2020–29

Sobre o autor

Ranyell M Spencer
Cirurgião Oncológico
Ex titular do departamento de cirurgia pélvica do AC Camargo
Doutor em oncologia com linha de pesquisa em sarcoma
Co fundador do Clinical Papers Podcast
Oncologia DASA


Tópicos

Compartilhar


Ranyell Spencer


Quer saber mais?

Se inscreva em nossa newsletter de Inovação