TSH: entenda como é feito o exame de tireoide

TSH: entenda como é feito o exame de tireoide

Dra. Myrna Perez Campagnoli, Dra. Myrna Perez Campagnoli
Publicado em:

TSH significa “hormônio estimulador da tireoide” e o exame mede a quantidade desse hormônio presente no sangue no momento da coleta

A tireoide é uma glândula que possui formato de borboleta e fica localizada na parte anterior do pescoço. Sua função é produzir hormônio T3 (triidotironina) e T4 (tiroxina) que auxiliam no metabolismo e agem no coração, cérebro, fígado e rins. 

O que é e para que serve o exame TSH?

Trata-se de um exame de sangue que é solicitado para averiguar se a glândula tireoide está funcionando normalmente e diagnosticar possíveis casos de hipertireoidismo ou hipotireoidismo. Realizá-lo é importante pois ele pode detectar um distúrbio da tireoide antes mesmo do paciente apresentar qualquer sintoma.. 

As irregularidades na produção de hormônios da tireóide causam  muito efeito no organismo, podendo ocorrer alterações de  memória, no crescimento em crianças, peso, humor, desenvolvimento cognitivo de recém nascidos, distúrbios do sono e hábito intestinal, dentre inúmeros outros sinais e sintomas.

Qual a diferença entre o TSH e T4 livre?

Exame de TSH: É o hormônio que regula a tireoide. Produzido pela hipófise, atua na tireóide estimulando a produção dos hormônios T3 e T4. Quando elevado, sugere a presença de hipotireoidismo e se baixo ou ausente – suprimido – suspeitamos de hipertireoidismo. É o melhor exame para triagem das alterações da função tireoideana.

Exame de T4: O T4 é um dos hormônios produzidos pela tireoide. Pode ser dosado em sua quantidade total (T4 total) ou apenas na sua forma ativa e livre (T4 livre). É o melhor complemento ao TSH para avaliação da função tireoideana.

Quando o TSH é considerado alto?

O TSH é considerado alto quando está acima dos valores de referência para a idade.  Os valores de normalidade variam de acordo com o método de dosagem e também entre crianças, adultos, idosos e gestantes.

Portanto, não há um valor único para toda a população. Quando elevado, sugere a presença de hipotireoidismo. Um valor elevado deve ser sempre confirmado em um segundo exame, pois todos nós temos variações diárias desse hormônio e a alteração pode tratar-se de um pico isolado. 

Sintomas  das doenças da tireoide

Os principais sintomas do hipotireoidismo são:

  • Cansaço;
  • Dificuldade para perder de peso;
  • Dores musculares frequentes;
  • Problemas de memória;
  • Prisão de ventre;
  • Queda de cabelo;
  • Pele seca;
  • Colesterol alto;
  • Sensação de frio;
  • Humor deprimido

Quais as diferenças entre hipotireoidismo e hipertireoidismo?

Hipotireoidismo: baixa produção de hormônios T3 e T4. Elevação dos níveis de  TSH.

Hipertireoidismo: alta produção de hormônios T3 e T4.  Redução dos níveis de TSH.

Como é feito o exame TSH

Consiste na coleta de uma pequena amostra de sangue. 

Pré-requisitos

Para realizar o exame, é importante que o paciente informe se faz uso contínuo de algum medicamento. No caso das mulheres, é necessário avisar se faz uso de anticoncepcionais ou se está grávida.

Manter o cadastro sempre atualizado, com confirmação da data de nascimento, permite que o laudo contenha as informações corretas de valores de referência para a idade.

Preparo e jejum

Não é necessário jejum para a coleta do exame

Contraindicações

O exame não possui contraindicações.

Tempo de duração

A coleta de sangue leva apenas 5 minutos para ser feita. 

Periodicidade

A periodicidade deve ser definida por um médico. Em alguns pacientes o TSH é realizado como um exame de rotina e em outros é acompanhamento de tratamento ou doença. 

Onde realizar o exame?

O exame de TSH está disponível em todos os laboratórios Dasa. Para agendar seu exame, basta acessar nossa plataforma Nav.


Tópicos

Compartilhar


Dra. Myrna Perez Campagnoli

Dra. Myrna Perez Campagnoli

Médica endocrinologista e pediatra, possui três especializações: Doenças Metabólicas e Diabetes na Infância, Endocrinologia Pediátrica e do Adolescente e Crescimento e Puberdade, todas pela Universidade Federal de São Paulo. É membro do Corpo Clínico do Hospital Nossa Senhora das Graças e do Centro de Diabetes Curitiba. Além disso, é a médica responsável pelo Setor de Provas Hormonais do Laboratório Frischmann Aisengart – DASA.

Quer saber mais?

Se inscreva em nossa newsletter de Inovação